Sector de Empresas

greve_galpA Greve de 3 dias iniciou-se às 00H00 de segunda-feira na Refinaria de Sines, com adesão acima dos 80% no 1.º turno.

Neste complexo industrial, o 2.º turno (início às 8H00) subiu a adesão, situando-se em 90%.
As três fábricas do complexo e todas as unidades fabris pararam.
Paralisaram também o terminal petrolífero e o pipeline Sines – Aveiras, assim como o abastecimento de vagões-cisternas e de carros tanque.

Pararam todos os trabalhos de construção/reparação/manutenção das instalações industriais, sendo que muitas centenas de trabalhadores afectos ao consórcio das empresas empreiteiras também aderiram à Greve.



387528_2352489170575_1200537604_32369894_69387271_nInserida na Semana de Luta de 20 a 27 de Outubro, marcada pela CGTP-IN, realizou-se no passado dia 27 de Outubro em Santiago do Cacém uma Tribuna Pública de protesto contra o Pacto de Agressão!

 

Por ocasião das comemorações do Dia Internacional da Mulher, a Célula dos trabalhadores da Câmara Municipal de Santiago do Cacém lançou uma saudação às trabalhadoras da Autarquia.

"Ao longo dos últimos 90 anos, a luta das mulheres pelo reconhecimento de direitos e pela sua participação em igualdade teve no PCP, e nas mulheres comunistas, o mais coerente e combativo aliado.", lê-se na saudação.

 

Comunicado da DORLA

A Direcção da Organização Regional do Litoral Alentejano (DORLA) do PCP, vem por este meio solidarizar-se e demonstrar o seu apoio à luta dos trabalhadores da Manindústria que estão ligados ao contracto com a Central Termoeléctrica de Sines.

 

Recentemente foram anunciados os lucros da empresa EDP em 2008, lucros estes cresceram em 20% fixando-se nos 1.092 milhões de euros. Estes lucros que representam um brutal aumento, num cenário de profunda crise derivada das más políticas de direita, mas também de muito aproveitamento por parte dos grandes grupos económicos.


Os trabalhadores da EDP e os trabalhadores da Manindústria foram os obreiros destes resultados, mas enquanto os grandes accionistas do grupo EDP levam para casa chorudos cheques, os trabalhadores levam cada vez menos poder de compra, maiores dificuldades em pagar as prestações da sua habitação, aumento de horas de trabalho, em suma piores condições de vida e de trabalho. Podemos concluir facilmente que o aumento de 1,4% como defendem os trabalhadores é apenas uma “gota de água” no oceano dos milhões dos lucros.


A crise está a ser desculpa para os maiores ataques aos trabalhadores, exige-se que se trabalhe mais e que se recebe pior, ataca-se selvaticamente o direito ao trabalho generalizando a precaridade. A DORLA do PCP gostaria de transmitir uma mensagem de esperança à luta dos trabalhadores da Manindustria de que “Sim é Possível, uma vida melhor”, porque nós não estamos condenados a continuar assim, é possível através da unidade, da determinação e da luta dos trabalhadores alcançar-mos uma vida melhor.


moçaodecensura
 

PCP APRESENTA MOÇÃO DE CENSURA AO GOVERNO

(Uma clara condenação ao Governo PS e à sua política)

 

Perante a gravidade da situação nacional e o caracter inaceitável das propostas sobre o Código do Trabalho o PCP decidiu apresentar na Assembleia da República uma Moção de Censura ao Governo do PS e à sua política.

A Moção de Censura que o PCP apresenta, não se esgota na Assembleia da República, antes deve continuar na luta de todos os que, inconformados com este rumo, aspiram a uma vida melhor, o PCP lançou para os próximos dias 6 e 7 de Maio uma jornada nacional de agitação, propaganda, consciencialização e mobilização para a luta.

Na Região do Litoral Alentejano, a DORLA do PCP programou várias acções das quais destacamos:

  • Dia 6 de Maio às 07.30horas contacto com os trabalhadores da Petrogal; às 16 horas, contacto com os trabalhadores da Repsol.
  • Dia 7 de Maio às 07.30 horas contacto com os trabalhadores da EDP; às 17 horas contacto com os trabalhadores da MetalSines.

Nestes dias também se contactará com os trabalhadores das autarquias.